Estudos bíblicos para pregadores e adoradores da palavra de Deus.




A fé e o sofrimento.

A imagem mostra duas mãos completamente sujas de barro cruzadas em gesto de oração.


Ouça:


A fé deixa espaço para a dor?


Certa vez, fui abordado por uma jovem cuja mãe de uma amiga havia morrido recentemente. Ela queria lamentar e chorar, mas estava preocupada que as lágrimas de tristeza pudessem de alguma forma comprometer sua fé perfeita na bondade de Deus. 


Fé e confiança.


Nossa tradição nos ensina a cultivar dois conjuntos de crenças: confiança e fé. Quando confrontados com uma potencial tragédia, devemos orar a Deus e confiar que Ele nos protegerá do mal. Quando atingidos por uma tragédia real, somos encorajados a acreditar que a tragédia serve a uma boa causa. Tudo que Deus faz é para o bem; pois o Deus Todo Poderoso é perfeito em Sua benevolência.


Os paradoxos devem ser abraçados, e não resolvidos. Eles indicam um nível de sabedoria que transcende a mente humana. Cultivar os dois conjuntos de crenças apresenta um problema. Se acreditamos que todas as tragédias são perfeitamente boas, por que pedimos a Deus que nos proteja delas? Além disso, por que confiamos em Deus para nos proteger da tragédia e, assim, nos negar a bondade perfeita que teríamos ganho com ela? Ainda assim, fé e confiança são imperativas. Como podemos reconciliar essa aparente contradição?


Esta é essencialmente a mesma pergunta que a jovem fez.


O paradoxo.


Eles indicam um nível de sabedoria que transcende a mente humana. Intuitivamente, sentimos que ambos os elementos do paradoxo são verdadeiros, mas não sabemos como explicá-lo. Isso não é uma coisa ruim; é reconfortante saber que não somos capazes e, portanto, não somos responsáveis ​​por explicar tudo - algumas coisas estão além de nosso reino.


Não sabemos se Deus é perfeitamente benevolente, tal conhecimento transcende nosso entendimento; nós acreditamos nisso. Não podemos explicar o benefício acumulado para a humanidade pela morte de uma criança ou pelo sofrimento de um inocente. Acreditamos que há bem em tal sofrimento porque em um plano superior tudo o que Deus faz deve ser para o bem. Mas nunca podemos fingir que entendemos isso. Em nosso nível, todo sofrimento é horrível. Nenhuma mãe pode se alegrar com a morte de seu filho acreditando que é o melhor. Então, novamente, toda mãe é consolada por sua fé em um Ser Supremo que cuidará de seu filho e lhe dará infinita bondade.


O horror e o conforto andam de mãos dadas e não se contradizem. Não podemos explicar por que isso é assim, mas sabemos que é assim. Negar nossa fé por causa de nossa dor é negar uma parte de nossa alma. Negar nossa dor por causa de nossa fé é negar a essência de nossa humanidade. Deus nos criou como somos e reconhece as limitações da percepção humana. Ele espera que lamentemos nossas perdas e soframos por nossos entes queridos, mesmo que acreditemos em Sua Suprema Benevolência. Ele espera que clamemos de horror e dor, mesmo quando aceitamos que Seus decretos são justos.


Expliquei à jovem que abraçar sua amiga em pesar e chorar lágrimas amargas por sua perda não era incompatível com a fé em Deus. A fé não aprisiona, ela liberta. Permite-nos olhar além de nossa percepção limitada e acreditar que existe maior justiça do que nossas mentes podem compreender. A fé nos conforta em tempos de luto; não inibe o pesar.


Deus em Julgamento.


A história é contada sobre três rabinos que, após o Holocausto, convocaram um tribunal judeu para colocar Deus em julgamento. Eles consideraram Deus culpado de injustiça de acordo com a lei da Torá... e então passaram a se juntar às orações da tarde.


Se Deus é culpado, a quem eles oraram?


Um juiz deve decidir com base em sua percepção e compreensão do caso que preside. No nível de nossa percepção, a morte de seis milhões foi uma tragédia horrível da qual Deus é culpado e estaríamos mentindo se negássemos. No nível da percepção Divina, tudo o que Ele faz é perfeitamente correto e seríamos temerários se tentássemos entendê-lo. Embora não possamos entender, ainda aceitamos - é o que chamamos de fé.


Quando Abraão perdeu sua esposa, Sara, ele lamentou por ela e chorou lágrimas amargas. O que aconteceu com o guerreiro espiritual que quase massacrou seu filho a mando de Deus? A perda de sua esposa afetou sua fé na bondade perfeita de Deus? De jeito nenhum. Na verdade, se ele tivesse realmente sido feito para massacrar seu filho, imagino que ele também teria sofrido. Seu entusiasmo em seguir as instruções de Deus resultou de sua fé em Deus. Sua tristeza por seus entes queridos era resultado de seu amor por sua família. Ambas as experiências são genuínas; um paradoxo que não podemos, mas também não precisamos, explicar.





IMPORTANTE!


Para pessoas especiais como você, que busca conhecer a fundo e entender as escrituras sagradas, existe um material incrível, onde é ensinado passo a passo tudo sobre a interpretação bíblica.


O Curso, Interpretação Bíblica: Gênesis a Apocalipse, ensina passo a passo a entender a Bíblia, levando o aluno a compreensão correta do texto Bíblico. A linguagem do curso é bem clara e objetiva, portanto muito útil também para quem nunca fez um seminário.


Para acessá-lobasta clicar no botão abaixo e se preparar para conhecer algo que vai te transformar para sempre.




Postar um comentário
0 Comentários